quinta-feira, 2 de março de 2006

Egrégios Avós, Infames Netos: Quadros Interactivos

De facto, quando escrevemos no espaço cibernético, os nossos textos pulam, saltam, viajam a uma velocidade estonteante, ao ponto de, por vezes, lhes perdermos o rasto.
Fiquei deliciado, quando deparei que alguém encontrou um texto e uma fotografia de uma aluna minha, escrito em Maio 2004, intitulado "Adeus ao Quadro Preto" (ÁGORA, no Prof2000), e se debruçou sobre ele para tecer algumas considerações... interessantes, embora me remetessem para um episódio d'Os Lusíadas 'O Velho do Restelo'!
Façam o favor de visitar: Egrégios Avós, Infames Netos.

Já agora, um forte abraço à minha ex-aluna Catarina, que muito bem dominou o quadro, assim como a inesquecível turma dela!!! ;-)

2 comentários:

  1. Como não podia deixar de ser, aqui fica o meu comentário, de agradecimento ao Prof.José Paulo por me ter dado, a mim e aos meus colegas, a oportunidade de nos ter dado a conhecer o "tal do" quadro interactivo. Já me deparei com o texto intitulado "Adeus ao Quadro Preto"(ÁGORA,no Prof2000)que mostra a toda a sociedade como este quadro pode revolucionar (e que já revolucionou...)o método de ensino nas escolas por todo o mundo. Posso dizer que com o quadro interactivo consegui fazer uma boa aprendizagem a nível de todas as disciplinas, por causa, não sei, da cativação que acontece nos alunos. Para terminar deixo um grande abraço ao Prof.José Paulo e a todos aqueles que foram da minha turma que também souberam dominar muito bem o quadro.
    ;-)

    ResponderEliminar
  2. Mariana Pereira10:54 da tarde

    Nunca sei como começar estes comentários... mas vou começar pelo fim! :) Eu fiz parte daquela turma!!!

    Bem, falando um bocadinho mais a sério...
    Sim, eu já usei os quadros interactivos imensas vezes, desde o 8º ano ate o 11º (em que estou hoje). Não vou dizer que a partir daí o meu sucesso escolar tenha subido de tal maneira, mas contribuiu um pouco para mudar o ritmo das aulas, torná-las diferentes, para não usar a palavra interessante.

    Concordo, muito até, com os últimos parágrafos do texto "Egrégios Avós, Infames Netos". Hoje em dia, coitadinho do menino(a), que não se pode fazer nada, que fica traumatizado, que tem de ir para o psicólogo, que coitadinho ninguém pode levantar a voz, que fica doentinho... Sinceramente, uma criança tem de conhecer o lado bom e o lado mau das coisas. Se ninguém ralhar pensará que o que faz é certo e mesmo que não o seja, como ninguém o repreende, tudo bem, faço outra vez.
    Contudo, acho que isto não se pode aplicar à utilização dos quadros interactivos numa aula. Muitas vezes sentimo-nos cansados daquele quadro preto, verde, e aquele giz que suja as mãos todas... porque não ter um quadro diferente, onde uma apresentação de um trabalho tem muito mais sucesso, uma aula pode juntar Internet, mensageiro... Cada vez mais as tecnologias estão presentes na nossa vida, e nós e os mais pequenos iremos precisar delas como quem precisa de uma caneta hoje em dia. A escola deve ser um sítio onde nós possamos aprender também a trabalhar com estes instrumentos.
    Desde o exercitar da memória visual, com imagens, filmes, até à utilização de sons, por exemplo em aulas de línguas estrangeiras, é muito importante, ou a possibilidade de fazer testes de uma forma inovadora (não é que mais ideias para testes sejam muito aceites por nós, alunos :P), tudo isto são actividades que com um quadro interactivo podem ser tornadas realidade.

    Não acho que haja muita distracção... Os professores parecem gostar de usar algo diferente que os faça sentir mais "capazes" e nós claro que adoramos sair da rotina... Com apenas uma caneta sentimo-nos, pelo menos naquele momento, como que poderosos e com uma responsabilidade de "não posso fazer isto mal utilizando o quadro!". Se calhar isto até faz com que estejamos mais atentos e concentrados.

    Um beijinho para o prof.José Paulo e para a minha querida turma! :D

    (ufa!:P)

    ResponderEliminar

Escreva aqui o seu comentário ao texto! Obrigado pela sua participação...