terça-feira, 30 de maio de 2006

Na sala de aula, sente-se um clima contagiante...

Foram poucas as vezes em que terei sentido nas escolas, ao longo destes 14 anos ao serviço da Educação, tanta euforia, tanto bem-estar, tanta alegria, tanta motivação e disponibilidade por parte dos professores como a que agora se verifica nas escolas onde se adoptou o quadro interactivo como ferramenta auxiliar para o processo de ensino e aprendizagem...
Da parte dos alunos, vemo-los empenhados, envolvidos, participativos e concentrados nas actividades! Na sala de aula, sente-se um clima contagiante...
Os textos que vão sendo publicados neste blog retratam essa atmosfera que nos dá vontade de ir ao encontro destes professores e alunos! E, quando lá estamos, nessas salas, queremos permanecer, porque a "aula de outrora" deu lugar à "aula do conhecimento, da partilha, da colaboração, do debate,...":
Leia-se o texto da Profesora Maria Inês Conceição, da Escola EB1 nº 2 de Castelo de Paiva:
__________________________________________________________

Deixemo-las voar…

"Diz o povo que, casa onde as andorinhas façam ninho, são casas com sorte!...

Nesta Primavera, ainda não vi tais construções na minha escola, se calhar por falta de tempo, pois tudo acontece à velocidade de um simples “clique”, ou por falta de observação…mas, que é uma escola de sorte, lá isso é. E, cá para mim, o ninho está mesmo na minha sala, em forma de Quadro Branco Interactivo (QBI).

Há três meses que o “ninho” lá está. Tempo suficiente para que a reprodução e o nascimento de uma nova dinâmica escolar se tenha dado. As professoras, da escola, vivem numa azáfama “voando” das suas salas para a minha, ora sozinhas, para observação das potencialidades do QBI e construção de flipcharts, ora com os alunos matando-lhes a fome, de saber.

O desgaste e cansaço sente-se no ar, mas também se sente o “chilrear” das crianças, o “bater de asas” e… os primeiros “voos”! … Espectáculo encantador!

Contemplemos esses primeiros voos.

As tentativas de voo realizadas pelos alunos acontecem num contexto em que o currículo é flexível e aberto, onde os conteúdos assumem a forma de «problemas a resolver» nascendo, assim, os projectos de estudo. O ambiente de aprendizagem aposta na cooperação, na motivação interna e em aprendizagens fortemente significativas.

Os projectos envolvem as crianças em actividades, jogos e tarefas, criando o gosto de aprender, a partir das coisas que lhes dizem respeito; nascem dos interesse manifestados, de um acontecimento, de uma novidade que lhes despertou interesse e para a qual procuram uma explicação ou mais informação, de um tema/conteúdo curricular, etc.

Os projectos são estratégias de trabalho e aprendizagem que exigem cooperação, autonomia e divulgação dos seus trabalhos.

Avancemos para esta última fase do projecto: a divulgação. Este é o momento da partilha, da sistematização de conhecimentos e também da avaliação. A necessidade de comunicar os resultados de um projecto dá sentido às aprendizagens e ajuda a estruturar o conhecimento.

As crianças apropriam-se de uma ferramenta de trabalho interactiva excelente para a divulgação, o QBI. Este é-lhes, hoje em dia, imprescindível durante todo o processo do projecto, através da recolha e organização da informação e formato da comunicação.

É nesta altura, através do QBI, que dão asas à sua imaginação e dão às asas, levantando voo, saindo do ninho e mostrando que já conseguem voar…

Têm sido momentos únicos!... Sentir o prazer dos alunos de comunicar partilhando, através do QBI, os conhecimentos adquiridos, agindo com um simples toque, no quadro, ao virar de página, a uma hiperligação Internet, a uma fotografia, a uma música… (nada que se compare ao tradicional e estático cartaz em cartolina) …sentir a motivação, a concentração com que os colegas assistem à comunicação… sentir o dinamismo existente na sala, com os apresentadores a chamarem ao QBI os colegas, questionando-os e testando os seus conhecimentos, numa atitude de interacção…e, no momento da avaliação/reflexão, os elogios não são poupados ao trabalho desenvolvido e ao flipchart apresentado.

Deixemos as nossas crianças voar, o tempo está propício para que saiam do ninho e voem… são tempos de autonomia, de responsabilização pessoal, de afirmação e independência. Mas também já é tempo de salientarmos as vantagens do QBI que consideramos darem consistência a estratégias inovadoras face às necessidades curriculares emergentes da sociedade pós-moderna em quem vivemos.

Afinal, a minha escola é uma escola com sorte…agora é só contemplar o voo das andorinhas!..."

Maria Inês Conceição

30/05/06

__________________________________________

Algumas fotos de uma actividade

Projecto: "Portugal"
Autores: três alunos do 4º ano.
Conteúdos desenvolvidos pelos próprios alunos.
As fotos retratam o momento da construção e da comunicação à turma.





1 comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar

Escreva aqui o seu comentário ao texto! Obrigado pela sua participação...